terça-feira, 8 de setembro de 2009

CANTINHO DA POESIA

Não existe momentos mais mágicos do que ouvir Casemiro de Abreu na voz de Paulo Autran.



Um comentário:

  1. Acabei de ouvir Paulo Autran, com o mesmo nó na garganta, tal qual eu o sinto agora.
    Lembrei-me do qto fiquei irada com a professora do 3º ano do Grupo, qdo ela nos mandou decorar este poema de Casemiro de Abreu. Minha cabeça, atordoada, por muitas perguntas...'por que é q tenho q saber, como foi a infância deste cara: ñ tem nada a ver com a minha infância...Nem saberia dizer onde se encontra o laranjal mais próximo...talvez, nos livro do meu pai...Sombra das bananeiras, então! Qta coisa, tão distante da minha infância. Q jeito mais estranho de se referir ao céu, às estrelas, ao mar...
    Acho, q da próxima vez, q for a Santos devo procurar por uma porção de coisas , q ele diz, q eu jamais vi...Como ele faz para ver? É, tenho q confessar q estas coisas parecem mto bonitas, da forma como ele fala delas, mas eu ñ consigo vê-las assim...Atrapalhou-se tudo na minha cabeça: de q
    infância ele está falando? Será q existe alguma outra coisa, q se pode chamar de infância?
    Por que, meu Deus, eu não 'adormeço sempre sorrindo, nem desperto já a cantar'?
    Se me é difícil dormir, acordar é pior ainda...
    Se antes, eu ñ queria decorar só porque não, agora não quero decorar, pq ñ entendo de q infância ele fala...quem consegue ter esta infância, a q ele se descreve?'
    Mas as minhas bravatas logo cessavam, diante da ordem da professora...à sombra de que, ou de quem, iam a minha coragem, a minha ousadia?
    Na certa, ñ iriam à sombra das bananeiras.
    Desapareciam porque a professora dizia, quase sempre, em relação a quase tudo: 'Um dia vcs irão entender'. E descobrirarão como esta poesia é bonita !
    Ela tinha razão.
    Não importa ter nascido em pqnas cidades do Interior, no Litoral, na Capital, todos tivemos
    8 anos, é isto o q nos une e iguala.
    Cada um de nós, à sua forma e possibilidade, sente
    saudades da infância, q os anos não trazem mais...

    ResponderExcluir

Deixe aqui seus comentários ou críticas. Serão bem-vindos.