sábado, 15 de novembro de 2014

O APANHADOR DE DESPERDÍCIOS

Manoel de Barros jamais cairá no esquecimento, um dos maiores poetas contemporâneos do nosso país.

2 comentários:

  1. Tudo aquilo que nos leva a coisa nenhuma
    e que você não pode vender no mercado
    como, por exemplo, o coração verde
    dos pássaros,
    serve para poesia
    As coisas que os líquens comem
    - sapatos, adjetivos -
    tem muita importância para os pulmões
    da poesia
    Tudo aquilo que a nossa
    civilização rejeita, pisa e mija em cima,
    serve para poesia.
    (M. Barros - Matéria de Poesia)
    Este poeta vai fazer muita falta...

    ResponderExcluir

Deixe aqui seus comentários ou críticas. Serão bem-vindos.