SEXTETO VOCAL ORDINARIUS

O Sexteto Vocal Ordinarius é um grupo vocal carioca com bastante sucesso nas mídias. Com uma técnica impecável e muita criatividade se empenharam em regravar clássicos da música popular.A maioria das canções do repertório é a capella, um trabalho focado na voz, utilizando muitas vezes harmonias complexas e arranjos que necessitam de atenção para serem apreciados.O grupo já tem 2 álbuns lançados, o último agora em agosto e se chama RIO DE CHORO.Os integrantes do Ordinarius são:  André Miranda, Augusto Ordine, Leticia Carvalho, Luiza Sales, Maíra Martins e Marcelo Saboya.O repertório bastante eclético oscila de Pixinguinha e Zequinha de Abreu a Edu Neves e Rogério Caetano, passando por Zé Miguel Wisnik, Villa-Lobos e Carlinhos Brown. A direção musical é de Augusto Ordine.

Carinhoso (Pixinguinha / João de Barro)


A releitura desse clássico de nossa música brasileira está bem modernosa e até engraçada. Tem a participação de vários fãs colaboradores e todos se divertem cantando.


André de sapato novo” (André Correa) /“Tico-tico no fubá" (Zequinha de Abreu)


Ficou muito bacana a fusão dos dois chorinhos e os vocais substituindo os instrumentos com um tempero bem brasileiro. O vídeo mostra os cantores ensaiando, enquanto a música vai rolando.



Rosa  (Pixinguinha) 

Um clássico da nossa música brasileira, esse choro foi gravado todinho a capella, com um nível de perfeição extremo. O vídeo foi gravado em um teatro com os integrantes sentados no chão, formando um cenário simples e que registrou muitas curtidas na internet.




Ladeira da Preguiça - (Gilberto Gil) 

Foi o primeiro trabalho em vídeo do grupo. A releitura desta canção se dá num cenário de atividades domésticas numa dramatização, às vezes contrastante com os versos de Gil.




Mr. Sandman (Pat Ballard) 

        Canção lançada em 1954 com uma releitura muito boa do grupo. É também um clássico da música pop norte-americana.




Baião de quatro toques” (José Miguel Wisnik e Luiz Tatit) / “Brasileirinho” (Waldir Azevedo)

O baião vocês irão identificar com alguma sinfonia de Beethoven, daí vira baião brasileiríssimo e depois um choro. Legal, não? Depois vem o famoso chorinho do Waldir Azevedo. O vídeo vai mostrar cenas que o grupo fez durante uma viagem à Alemanha e tudo ficou muito harmonizado.



Tipo Zero” (Noel Rosa)

Muito bacana a forma bem-humorada que o grupo gravou Noel Rosa. Nesta canção nota-se a presença de instrumentos musicais (cavaquinho e kazoo). A locação desse clipe foi um show ao vivo no Parque das Ruínas, em Santa Teresa.




 ARRASTÃO (Vinicius e Edu Lobo)

 No Parque das Ruínas, em um show feito em parceria com a Musicoteca, o grupo mostrou o seu cover vocal de "Arrastão", de Edu Lobo e Vinicius de Moraes.




BREJEIRO
Com enorme criatividade, a canção de Ernesto Nazareth ficou maravilhosa nesse clip que foi produzido pela Lêmure Filmes. Observem o trenzinho andando no ritmo das vozes.



Na Batucada da Vida
“Na Batucada da Vida”, de Ary Barroso e Luiz Peixoto, foi composta para uma revista musical, em que era interpretada por Araci Cortes, sob o título de “A Canção da Enjeitada”. A primeira gravação, no entanto, foi realizada pela cantora Carmen Miranda em 1934, acompanhada pelo grupo Diabos do Céu. E agora, tanto tempo depois o sexteto Ordinarius numa leitura toda característica, nos brinda com essa canção.    

2 comentários:

  1. Muito bom Renato.
    Só me vem na cabeça referências boas como os Swingle Singers e o Quarteto em Cy, de roupa nova e muito competentes. Vida longa para este grupo que eu não conhecia..

    ResponderExcluir

Deixe aqui seus comentários ou críticas. Serão bem-vindos.